Já ouviu falar em hairceuticals? Saiba tudo sobre como funcionam esses produtos poderosos!

Volta e meia surge no mercado uma novidade para cabelos bombástica, e a mais recente promete dar o que falar. Pense nos dermocosméticos, troque pele por cabelos e, voilà, eis o conceito dos hairceuticals. Fusão da palavra “hair” e “pharmaceutical”, eles são produtos que prometem tratar diversos problemas capilares (de queda a ressecamento excessivo dos fios), ficando no limiar entre cosméticos e medicamentos. Eles levam em sua composição elementos naturais, como plantas, combinados com proteínas hidrolisadas, aminoácidos e outros ativos inspirados na indústria farmacêutica, que potencializam sua ação.

agência epohke, cabelo, hairceuticals, tratamento

Getty Images

Ainda pouco conhecidos no Brasil, eles já aparecem no topo das principais pesquisas de trends para o mercado da beleza pelo mundo. A onda dos hairceuticals é forte especialmente na Ásia e na Austrália, mas aos poucos está chegando por aqui.

Hoje, existem basicamente dois grupos de hairceuticals: aqueles com mais foco em elementos naturais e aqueles que colocam mais peso nos componentes medicinais e farmacêuticos. O que diferencia os primeiros das marcas unicamente naturebas é a associação com a tecnologia de ponta, caso da Phyto, que desembarca no Brasil nos próximos meses. A empresa francesa de haircare potencializa os benefícios de 500 tipos de plantas usando ativos desenvolvidos em parcerias com instituições como o conceituado Saint- -Louis Hospital, em Paris.

Um estudo com células-tronco, por exemplo, foi aproveitado no mais recente lançamento antiqueda da marca, o Phytologist 15. Ganhador do “Oscar francês da cosmética” de 2016, realizado há 25 anos com a indústria do setor, o tratamento é feito em 12 doses de um combinado de plantas medicinais de diferentes países com ativos “99% de origem vegetal e natural”. O produto promete parar a queda e acelerar o crescimento em dois meses.

Já a vertente focada nos componentes medicinais pode trazer altas doses de colágeno, proteínas, aminoácidos e vitamina E. A Kérastase flerta com essa onda no Brasil desde 1997, quando lançou o produto antiqueda L’Aminexil. Mas só passou a considerar o formato uma oportunidade real há três anos, com a chegada do Densifque e do Initialistem que potencializam o crescimento, a densidade e a resistência do cabelo.

Os ativos farmacêuticos têm grande eficácia porque suas moléculas são menores e penetram mais profundamente na estrutura do fio. O objetivo não é maquiar, e sim tratar de verdade o cabelo. Na próxima compra capilar, então, fique de olho no rótulo e capriche na aula de química e botânica. Suas madeixas agradecem.

Fonte: ELLE